Agora com a designação de O PALHETAS NA FOZ em (www.opalhetasnafoz.blogspot.com)

quarta-feira, 18 de março de 2009

Perdoai-lhes, Senhor!...

Portugal é um país maioritariamente católico, como muitos outros no Mundo. Mas a maioria católica anda desiludida, sente-se usada e até confusa.
Constantemente lê-se que há falta de padres que possam abarcar as diversas paróquias, orientar no casamento, aconselhar depois os filhos através da catequese, acudir a uma eventual crise conjugal...
Mas como é que um padre pode orientar
no casamento se não pode ser casado e, portanto, não ter essa experiência!? Orienta só por dedução!? Ensina os filhos dos outros com... a "experiência" do que vem escrito nos missais!? Acode a uma crise conjugal dizendo que "-...vá lá, o façam isso porque é pecado" !?Para um problema do dia-a-dia, antigamente, procurava-se um padre. Agora procura-se um psicólogo! É a desilusão!
Perante o avolumar de casos de pedofilia envolvendo padres, o povo sente-se usado... e fiquemo-nos (pelo ainda respeito que procuramos continuar a ter) por aqui...
E ultimamente muito confuso: primeiro foi o caso do bispo que afirmou, num país sul-americano, que o Holocausto (o extermínio de milhões de judeus pelo regime nazista de Adolf Hitler) nunca aconteceu, apesar dos largos milhares de testemunhos pessoais vividos, filmados e gravados;
O segundo, foi o caso do arcebispo brasileiro que decidiu excomungar uma menina de 12 anos, por ter abortado (de gémeos) após ter sido violada pelo padrasto e se encontrar em risco de vida... não tendo sequer condenado o padrasto!!! Porque "abortar é um grande pecado da Bíblia", afirmou!!!
O terceiro foi protagonizado pelo próprio Papa Bento XVI há poucas horas, e durante o voo entre Roma e Yaounde, capital dos Camarões (onde já terá iniciado uma visita a alguns países africanos, onde a sida é uma doença em em alta progressão) teve o desplante de afirmar que "...os preservativos não são a resposta na luta contra a sida... na verdade, eles agravam (?) o problema..."
Perante afirmações tão ultrapassadas, arcaicas e idiotas como estas, como não hão-de haver "fugas" para outras religiões próximas da católica!? Como poderão haver mais padres!? Como se poderão cativar os jovens para o catolicismo!?
Sou católico, quero ser respeitador, mas também quero perguntar frontalmente e sem tibiezas: -Como é possível uma religião, que deveria acompanhar a evolução dos tempos, continuar, afinal, a aconselhar os seus cada vez menos seguidores com as ideias de há dois mil anos atrás!?

8 comentários:

Zéfoz disse...

Na realidade é lamentável que certas afirmações de altos dignitários da igreja católica não correspondam à autêntica filosofia de Cristo e aos graves problemas actuais que emergem na sociedade de hoje onde os de menores recursos são sempre as principais vítimas.

Joao Paulo Mesquita Simoes disse...

Tem toda a razão meu caro António Flório, em tudo aquilo que escreveu nesta sua postagem. Eu próprio me questiono muita vez sobre o papel da Igreja na Sociedade e sobre isso tenho escrito no meu blogue Coscuvilheiro.
A Igreja Católica não evoluiu no tempo. Ora quem não evolui, estagna. Ora se estagna, não progride, não cativa ninguém. Por isso, A paróquia onde a minha filha anda nos Escuteiros aqui em Coimbra estava sempre cheia na missa das 19 horas ao sábado, deixou de o estar, quando o simpático e carinhoso pároco saíu e deu lugar a um velho padre retrógado, que não sabe reunir o seu rebanho e, com isso, tem afastado muita gente daquela igreja tão simpática.

Abraços!

Anônimo disse...

E há exemplos ainda mais caricatos do que estes! A igreja católica não evolui e deixa-se ultrapassar... talvez para satisfazer (e para satisfação) dos que lá estão e não querem perder o poder!

Anônimo disse...

No entanto, a Igreja Evangélica (Presbiteriana) tem Pastores jovens, mesmo mulheres, e a Igreja está practicamente vazia.....
Crise na igreja, atracções mundanas...vamos lá saber!!!!

Anônimo disse...

Estão completamente ultrapassados e sem a adequada e necessária adaptação aos tempos que vão passando!
Depois, quem se interessa!?

Mr. Burns disse...

Eu não sou o melhor exemplo para falar em questões religiosas, porque questiono o próprio Deus. Não acho que a fé seja algo racional nem benéfico, acho que acreditar tudo bem, mas o fanatismo tem limites.

Dito isto, ainda compreendo menos quem acredita em religiões, pois apesar de aceitar, ou, talvez mesmo, admirar quem tem fé na existência de um ser superior, acho a religião demasiado fútil e alterada pelo ser humano ao longo dos tempos, como instrumento de controlo de massas e como protecção de interesses de certas pessoas cujo interesse mundano é superior ao valor moral que supostamente representam.

Acho que Nietzsche tinha uma certa razão, mas o ser humano é demasiado simples e fraco para as teorias (ideias) dele.

Anônimo disse...

Ora bem: ser-se cristão, não é o mesmo que ser-se católico!!!... não confundamos.
Ser-se cristão envolve, em nós mesmos, uma complexa e múltipla aceitação ecuménima e de universalidade.
Aceitar ou não o Papa, poderá ser também, o estar ao lado ou não de determinadas posturas e posições sócio-económico-político-religiosas, que todos e qualquer um de nós poderá advogar e/ou defender, e/ou condenar.
Pessoalmente, não estou ao lado de quem é preservativoirracional. E isto apenas porque, como profissional de saúde que sou, defendo que, contra mentalidades irracionais e/ou obturantes, deverá ponderar e imperar a legitimidade e o bom-senso do "mal-menor", e, daí, defendo a necessidade imperiosa da salvaguarda da vida humana e da doença. A Igreja católica apostólica romana, creio que se tem afundado, não pela sua postura de SER CONTRA... mas pela sua teoria ANTI... ou seja, pela falta de evolução e de aceitação face às vissicitudes do mundo actual e contemporâneo... É que HOJE, CRISTO continua a ser o mesmo de há DOIS MIL ANOS, os homens é que teimam em não fazer progredir e evoluir a sua mentalidade. A degradação clerical é um cancro no seio desta igreja que, creio, a continuar assim, nem com paliativos terá algum tratamento possível. Depois, queixem-se do "reino de deus", destas e daquelas seitas...

Anônimo disse...

Já havia muita gente a pensar em afastar-se, desiludidas, da igreja católica... e destas "teorias" ultrapassadas de (quero acreditar que só de alguns!) padres! Mas com estas infelizes "tiradas" e decisões arcaicas, agora já não pensam, já têm a certeza!